12/02/18

o convite do "Delito de Opinião" que muito me honrou

O Pedro Correia, que muito admiro, convidou-me a escrever um texto para o "Delito de Opinião".
Fiquei feliz porque me diz, o Blog. Muito.
Dele sigo as opiniões, as músicas do século e os livros.

Escolhi o tema "cinema". Porque me diz muito. E porque há muito que não escrevia sobre ele.

Está aqui:

http://delitodeopiniao.blogs.sapo.pt/convidada-laura-avelar-ferreira-9882338

Pedro, mais uma vez, muito obrigada pelo convite.

09/02/18

carnavalando

e depois de uma semana de muito trabalho na Bolsa.
e depois de uma semana de muito trabalho no teatro (à noite).

vou sair mais cedo, meter-me num Uber, rumar ao UCI Arrábida e enfiar-me no cinema.
dose dupla.
como gosto e como preciso!

07/02/18

este meu sítio imaginado do ar

respiro à noite, quando chego a casa, depois de um dia em que couberam horas de quase uma semana,
quando me sento no sofá já perto do sono a pique
e me lembro deste meu sítio, onde tenho vindo pouco, mas a quem gosto muito (tanto).

ponho-me a escrever no ar, no espaço, com uma caneta invisível, bonita, de tinta irrepreensível e Português acertado,
escrevo uma coisa pequena, porque pequeno é o tempo que tenho.
curioso como já não me sinto tão longe daqui.

ainda bem que um dia, em pequena, fiz um pacto com a minha imaginação.
e lhe disse, ao ouvido, coisas que me fizeram acreditar hoje, em adulta,
que o tempo e o espaço são matéria e facto,
mas também são abstracto e são aquilo que eu às vezes quero que sejam.

(ontem quis muito que o espaço e a noite fossem este meu sitio.)

26/01/18

o meu Teatro é isto


phot. Alan Schaller

Vejo-os, os meus atores, de cima. Parados, em cena.
Gosto de lhes pedir que se movam, lenta e paulatinamente.
Gosto de lhes pedir que não façam nada. Ou que façam pequenos nadas. Assim ou assado. Para dentro ou para fora.
Depois peço-lhes que deles se desprenda uma torrente de qualquer coisa de dentro, qualquer coisa que não tem nome, que se forma a partir do eu de cada um, a partir do impacto que o texto tem em cada um.
O Teatro é isto. O meu Teatro é isto. Faz com que se desprenda também de mim qualquer coisa que não tem nome, que se forma a partir do meu eu, a partir do impacto que o amor que tenho por ele tem em mim.
Vejo-me, de cima. Parada, à boca de cena.
Gosto de me ver assim.
O Teatro - é um dos sítios onde gosto mais de me ver.

25/01/18

dias há

dias há
em que há tudo
e nada há.

Arquivo