20/04/18

está.



Está nos lábios das meninas, nas bochechas das crianças,
nos galhos jovens das árvores
na madrugada sonolenta de aromas.
está nas sandálias das mulheres e nos seus cabelos.

está em mim, a Primavera, hoje.
como se nunca tivesse estado.

17/04/18

privilégio


é isto. correr num espaço destes. cheirar o mar. ouvir as coisas.
voltar depois a casa com o corpo cansado do bom que é cansar-mo-nos.

16/04/18

volto calmamente ao hábito dos dias comuns


retomo leitura, hábitos pequenos,
exercício, conversa,
filmes, música.
e eu. retomo-me. recebo-me de mãos em concha.

ontem vi um filme muito bonito.
"Lion- a longa estrada para casa", de Garth Davi.

10/04/18

"uma história que não lembra ao diabo"


(…) "Gente a fazer de bonecos ou bonecos a fazer de gente?
Há de tudo, aqui. No palco da nossa imaginação.
Aqui, neste palco, faz-se o infazível e narra-se o indizível.
Para que o fazemos? Será apenas por puro entretenimento?
Será porque podemos fazê-lo e, fazendo-o, estamos a pensar seriamente em algumas coisas?
Se calhar é um bocadinho disso tudo.
O resultado foi este.
Não sei muito bem o que vos diga.
Apenas sei que há histórias que não lembram ao diabo."


E também sei que é bom ver materializado, aquilo que começou por ser um esboço
depois foi gerado, retido, enriquecido e apaparicado
para por fim nascer, rebelde, indefinido, inconstante.
gritou, esperneou, teve noites mal dormidas mas também riu muito.
depois cresceu e teve pais, filhos, irmãos, amigos.
aprendeu a andar e a correr e a brilhar.
já o coloquei no meu álbum de filhos-teatro como (mais) um especial.
este deu-me luta. deu-nos luta. a todos. aos que o suaram em corpo e voz, aos que o coseram, colaram, maquilharam, assistiram, repetiram, transportaram, soldaram, acreditaram, iluminaram, musicaram e sobretudo acarinharam.
está pronto para ir. deixemo-lo voar.

(mas, porreta, não é que já tenho saudades dele?)

27/03/18

Teatro

Parabéns Teatro querido:
O meu Teatro, o nosso Teatro,
o Teatro que me ensinaram os grandes,
e os primeiros pequenos, que me levaram para o Teatro.
Tu que me ensinas tanto e me espantas mais ainda.
Tu que és dos casos mais sérios da minha vida,

Parabéns a nós, que o fazemos porque queremos e o fazemos, acima de tudo, com verdade.

(estou quase de volta, por inteiro.)

Arquivo