30/09/11

o rapaz dos olhos com vida própria

Os olhos dele eram de certo apreciados. Pela cor.

Mas os olhos dele eram apreciados também pelo facto de terem uma vida própria, os olhos dele.
Os olhos dele abraçavam, riam, contavam histórias de viagens e falavam baixo. Como ele.
Os olhos dele eram campo, trigo, feno, areia e verão.
Ele não falava muito. Mas os olhos dele tinham todas as palavras do universo.

Sem comentários:

Arquivo