07/12/11

a mulher que cantava sozinha

disse-lhe sem pausas sem pontuações disse-lhe ter inventado uma linguagem nova de gostar uma linguagem simples sem verbos sem figuras de estilo disse-lhe isso sofregamente com a voz entrecortada e às vezes esganiçada principalmente nas palavras mais agudas e disse-lhe isso com as mãos com os olhos com o corpo numa entoação delirante e acalorada e aquilo que ela dizia mais parecia uma cantiga uma cantiga que ela tinha escrito e sabia sabia sabia
que nunca a cantaria com ele
porque

só ela a iria cantar.



Sem comentários:

Arquivo