27/12/11



Gostava de ter 3 interruptores em mim:

Um que desencadeasse música para me acompanhar nos meus dias, como acontece nos filmes; seria uma espécie de banda sonora da minha existência. Tal música pautaria momentos e estados de espirito; teria as hipóteses de fade-in e fade-out e ainda um botão de volume pois há situações em que a música se quer alta.
Um outro que desencadeasse luz como acontece no teatro e com a possibilidade de blackout e corte à faca. Luz de recorte, luz lateral e luz negra.
E o ultimo, de efeitos especiais, que me permitisse andar em câmara lenta, voar como o super-homem e transformar-me em personagens incríveis: o gato das botas, um pequenino do Senhor dos Anéis, a tenente Ripley do Allien, a Ilsa Lund do Casablanca, a Ginger Rogers com um vestido fabuloso.
Gostava mesmo de me passear na vida como se fosse num filme.

1 comentário:

Eduardo Graça disse...

Obrigada. Belissimo o seu blogue. Abraço.

Arquivo