30/09/11

o rapaz dos olhos com vida própria

Os olhos dele eram de certo apreciados. Pela cor.

Mas os olhos dele eram apreciados também pelo facto de terem uma vida própria, os olhos dele.
Os olhos dele abraçavam, riam, contavam histórias de viagens e falavam baixo. Como ele.
Os olhos dele eram campo, trigo, feno, areia e verão.
Ele não falava muito. Mas os olhos dele tinham todas as palavras do universo.

28/09/11

ai


não sei se te encontro ou se te perco
se quero dizer-te mil coisas ou se faço de conta que amuo.
não sei se pense com razão
ou se me atire para a inevitabilidade das coisas que se fazem sem pensar
e se tornam, assim, estúpidas.
não sei se tome um banho na banheira de hidromassagem às 3 da matina e acorde o prédio
ou me ponha a ladrar no vão das escadas quando vierem as empregadas de limpeza.
não sei se chore ou coma
se sinta ou se berre.
não sei se brinque no Powerpoint
ou leia o fim de todos os livros que tenho em casa.
se me pinte com porpurina
ou se arranque cabelos.
apenas sei - é isso que sei -
que me sinto capaz de fazer as coisas mais estúpidas
quando penso que posso não estar perto de ti.
Se emprego tantas horas para me convencer de que tenho razão,
não será que exista alguma razão para ter medo
de que eu esteja equivocada?
(Jane Austen)

[Apresentação Pública de Encerramento da Ação de Formação em Teatro – Espetáculos 2011]





“Lixo e Luxo” com a coordenação de Júnior Sampaio

No Palco podemos encontrar Luxo no Lixo… A sorrir…
... No Palco o Lixo serve de adorno ao Luxo…
No Palco o Luxo pode ser motivo de Lixo… E sorrir…
No Palco podemos reciclar o Luxo…
No Palco o Lixo pode ser excesso de Luxo… Com muitos risos…
No Palco ficamos sempre sem saber onde começa o Lixo e onde termina o Luxo… Tudo se confunde… E cada espetador faz a sua reciclagem… E pode até gargalhar…
Num ambiente único “Lixo e Luxo” unem-se para o benefício do Palco…
Reciclar o Luxo para nos libertamos do Lixo…



COORDENAÇÃO de Júnior Sampaio


ALUNOS EM CENA Alberto Meira, Anabelo Melo, André Pinto, Angelina Carvalho, Catarina Pinto, Catarina Vaz, Cristina Pereira, Etelvina Baltazar, Gisela Baltazar, Inês Ferreira, Joana Costa, Laura Ferreira, Mariana Santos, Paulo Kanuko, Rosário Nascimento, Sofia Príncipe e Valdemar Baltazar.


DESENHO DE LUZ Luís Ribeiro
DESIGN Beto Meira
PRODUÇÃO EXECUTIVA Amélia Carrapito
APOIO À PRODUÇÃO Isabel Ferreira e Sofia Leal
DURAÇÃO 90 minutos (é permitida a entrada durante a apresentação)
ENTRADA 2€ (uma bebida incluída)

INFORMAÇÕES E RESERVAS 224211565
964751300
ESPETÁCULO PARA MAIORES DE 16
AÇÃO DE FORMAÇÃO EM TEATRO_ESPETÁCULOS 2011
Organização Câmara Municipal de Valongo e ENTREtanto TEATRO
Coordenação Pedagógica Júnior Sampaio


A Câmara Municipal de Valongo e o ENTREtanto TEATRO cumprem a 17ª Ação de Formação em Teatro Espetáculo.
Em 2011 dirigida a antigos alunos e membros dos grupos de teatro amador de Valongo, reuniu mais de 40 participantes que reciclaram, renovaram e adquiriram conhecimentos ao longo dos três meses de trabalho, no Centro Cultural de Campo.
Num formato diferente, com frequência e carga horária flexíveis, e apresentações públicas regulares, a formação decorreu de 16 de Maio a 29 de Julho e de 19 a 30 de Setembro, em horário pós-laboral, no Centro Cultural de Campo.
Uma Ação de Formação de aperfeiçoamento e experimentação das técnicas teatrais onde foram desenvolvidos e apresentados ao público mini-projectos/criações que abarcaram os diferentes contextos da interpretação e produção de um espetáculo: “Tentações…” a 3 de Junho, “Sensações…” a 17 de Junho, “Sim! Porque Não?” a 1 de Julho, “D’Estilo” a 8 de Julho, “Memórias do Mundo…” a 29 de Julho, e agora “Lixo e Luxo” a 30 de Setembro.

ENTREtanto TEATRO – Associação Cultural
Centro Cultural de Campo
Travessa de S. Domingos
4440-191 Campo – Valongo


+351 224211565
+351 964751300
[email protected]



23/09/11

25 de Setembro, 43 anos


Despeço-me dos 42 com a noção de missão cumprida.
Não gosto de números ímpares. Tenho 2 tatuagens
e só não faço a terceira senão teria de fazer a quarta.
Mas espero que os 43 sejam tão bom ou melhores que os 42.
Missão cumprida.
Estudei muito. Li muito. Reli muito.
Conheci ainda mais cantos de mim (se é que isso é possível).
Conheci pessoas incríveis.
Reencontrei outras que já não via há anos.
Desiludi-me com algumas. Muito.
Conheci sítios restaurantes e recantos do meu Porto onde nunca tinha estado.
Vi partir pessoas que me marcaram para todo o sempre.
Encontrei outras que avançam igualmente no caminho de me marcar.
Amei família, amigos, gatas e palavras.
Um dos amores da minha vida casou e foi mãe e assim tive mais um sobrinho.
Fiz jantares e fui a jantares.
Descobri a Melody Gardot.
Chorei que me fartei e ri outro tanto.
Engordei e emagreci tendo voltado ao meu amado 36.
Amei o meu Blog e amei a minha varanda à noite.
Escrevi horas e dias a fio.
Aprendi a jogar Poker de cartas.
Desenhei espectáculos mentalmente.
Desenhei o meu primeiro livro (no qual estou a trabalhar).
Desenhei um tapete de Arraiolos com um galo de Barcelos que terminarei este próximo ano.
Vi cabelos a crescer e rezei muito.
Fiz teatro muito teatro.
Fiz praia muita praia.
Encenei peças e escrevi uma curta.
Passei umas férias inesquecíveis.
Ri muito com as minhas irmãs.
Saí muito com as minhas irmãs (Be, Kiki, Rosi).
Senti-me com 18 anos em muitos momentos.
Senti-me pesada como se tivesse 80, noutros.
Fui capaz de ser muito feliz em bocadinhos mesmo não sendo sempre.
Sou capaz de me olhar no espelho e dizer-me “gosto-te muito”.
Descobri que sou a minha melhor companhia e a minha melhor amiga.
Deixei crescer o cabelo ainda mais e descobri O creme para os caracóis.
Retomei uma vida – A MINHA VIDA - que tinha quase esquecido
sem ter qualquer saudade da minha outra vida.
E vivo hoje com a certeza de que mesmo não gostando de números ímpares,
os meus 43 vão ser tão bons ou melhores que os 42.

22/09/11

"As Troianas"

Joana Manarte  /  Laura Ferreira

excerto de "As Troianas" de Eurípedes.
Do espectáculo "Memórias do Mundo" - ENTRETanto Teatro Formação.

myself and me

 ontem jantei sozinha num restaurante
e as pessoas que lá estavam não conseguiram deixar de me deitar um olhar estranho
só porque jantei sozinha num restaurante. 
 gostei de jantar sozinha.
de falar com os meus anéis
e ler as revistas que tinha para ler, atrasadas.

foi bom jantar sozinha.
mas a última vez que jantei sozinha
(antes do dia e ontem)
não foi assim tão bom porque a seguir...

Shae Acopian Detar

20/09/11

Ramell Ross


das duas uma

hoje vou recortar-me pelas costurinhas do meu corpo
e tornar-me duas:
uma:
 trabalhadora incansável, dona de casa atenta e meticulosa,
 filha-irmã-sobrinha-madrinha-amiga exemplar
a outra
pijama sem combinar, descalça,
leitora compulsiva que janta no sofá e não despeja o cinzeiro
e que vê tudo o que houver para ver na televisão.
e depois quando me deitar ao fim da noite
coso outra vez as duas de uma
e torno-me uma.
a Laura.

DAVID FULLARTON



fly me to the moon

Ela até conseguiria perdoar

se ele lhe cantasse ao ouvido o “Fly me to the moon”
e ela visse o verbo nos olhos dele.

Ela até conseguiria fazer de conta que não vira
se ele recortasse de um livro uma frase
que lhe deitasse por terra, a ela,
as reservas e os medos.

Ela até conseguiria voltar a ter um brilhozinho nos olhos
se ele respirasse como ela, a linguagem das coisas insignificantes e tão amadas
aquela linguagem dos equívocos e das coincidências
dos sítios especiais e das frases de filmes
das imagens e de frases musicais
de cidades e das frases dos livros,
a linguagem do amor que
quando se ama
se fala como se fosse a nossa 1ª língua.

a linguagem universal de certo amor
que na verdade não está ao alcance de muita gente.

phot. sam haskins

16/09/11

post-it pequeno (3)

eu gostava que me cantasses ao ouvido
uma canção de amor da Marisa Monte
mesmo que fosse num brasileiro terrível.

 
 a preguiça é feia
mas às vezes é boa.
gosto de ouvir tocar o despertador e pensar que ainda me restam mais uns minutos;
aproveito-os, todas as manhãs, como se fossem uma longa noite de sono.

14/09/11

post it pequeno (2)

eu gostava de andar contigo de braço dado 
por uma rua da baixa
 a contar os quadradinhos do chão da calçada Portuguesa.

13/09/11

ler

ler na cama
ler na casa de banho
ler numa esplanada
ler cheia de sono até os olhos se fecharem
ler triste
ler contente
ler em inglês
ler no sofá da sala
ler acompanhada
ler no avião
ler na praia
ler como se fosse a primeira vez
ler-me e ler os outros.
ler livros e momentos
recados e filmes
quadros e fotografias.
ler preços no supermercado
ler roupa em saldos
ler os olhos e ler as mãos
ler um livro em branco
e ler os meus sonhos.
ler os meus textos
e ler os textos dos outros.
ler, ler, ler
ler como se fosse a última vez.


12/09/11

constatação

Estarei a ficar insensível?
É que estava doida de saudades de 3 coisas.
Da minha gata Nina, da minha gata Alice e do meu blog.

i'm back

Preciso de desempacotar da cabeça
as palavras que por lá andam aos tropeções
que se acumularam nas férias
em fins de tarde de praia
jantares e risos
muita tranquilidade e folia
em silêncios, bronzeador e imperiais
em música, leitura e beijos
em poker e bolas de Berlim
em vida, vida, vida.
para ver se deste delicioso caos sai alguma coisa que se aproveite.

Arquivo