16/10/12

barulhos e outras coisas sonoras

As recentes construções imobiliárias, para além de nos deixarem adivinhar manchas de humidade mais cedo do que aquilo que gostaríamos, deixam-nos adivinhar, também, sons.

Vários tipos de sons.
Espirros. Suspiros. Respiros.
A minha vizinha de cima tem a voz fininha e usa, à noite, uns chinelinhos de quarto que parecem umas socas.
O meu vizinho de cima tosse antes de dormir e ressona muito alto.
O neto dos meus vizinhos de cima chora que se farta à noite. Mesmo que o faça de dia eu não ouço porque estou ocupada.
A minha vizinha de baixo faz barulho a andar.
Os autoclismos dos meus vizinhos esvaziam e enchem enquanto o diabo esfrega um olho.
Os cães dos meus vizinhos, à noite, costumam ladrar quando lhes dá na real gana.
Os meus vizinhos em geral fazem barulho a fazer outras coisas.
E eu fico acordada com ar de inocente a ouvir este banzé.

6 comentários:

Mar Arável disse...

Talvez por tudo isso

eu viva na folhagem

Nilson Barcelli disse...

E tu não fazes nada?
Faz também barulho, mulher...
Beijinhos, Laura.

Luis Eme disse...

eu sempre tive um sentido de abstracção óptimo em relação aos sons, Laura.

moro em frente da Lisnave, em Almada, e quando eles ainda laboravam, com grandes marteladas pela noite fora nos navios, sentia aquilo como música para os meus ouvidos. :)

Laura Ferreira disse...

Mar Arável, pois... eu também gostava de viver na folhagem...

Laura Ferreira disse...

Oh Nilson a minha cabeça já faz tanto barulho com as palavras :)

Laura Ferreira disse...

Acredito, Luis... é tudo uma questão de hábito :)

Arquivo