31/10/12

o meu outono



No outono visto-me de moreno adormecido:

os meus olhos são folhas maduras
os cabelos árvores esguias
na boca encerro o sabor a fruta
e no corpo entoa a cantiga do vento.

O outono traz-me um tempo preguiçoso de desvio;
é nesse tempo que me deito e deleito:
no areal da praia dos meus dias
...entre o morno
o dourado
eu e as palavras.

No outono as minhas palavras são mais palavras:
são… encaracoladas tépidas
fragmentos de verão com sabor a sal
são memórias de tardes aquecidas
e prometidas promessas de marés.

No outono
eu e as minhas palavras
namoramos um namoro
plácido e tácito
em câmara lenta.

1 comentário:

Luis Eme disse...

no Outono és mais poeta, Laura.

Arquivo