05/11/12

Que bom deixar-me estar na oscilação discreta
que nasce do teu corpo e me transporta
a essa embriaguez chamada rima;
sentir o cheiro limpo do cabelo,
adivinhar-te o gosto da saliva.

António Franco Alexandre
in Poemas com Cinema

Sem comentários:

Arquivo