30/04/12

ilust. de abel parris

às vezes gostava de te pedir
que não voltes a entrar assim na minha vida
com a inevitabilidade deste desenho.
mas depois penso
penso racionalmente
e prefiro saber-te
ler-te e ouvir-te.
porque mesmo não te tendo
pelo menos
sinto(te).

no meio é que está a virtude.

27/04/12

eu sei que fumar mata.

gosto do abraço do tecido.
mas gosto mais do teu.

26/04/12

girly show

 mert & marcus

quero voltar ao mar.
nem tudo é o que parece.

Emma Summerton


Nicole Kidman and Clive Owen star in the May 2012 W cover story 'An Affair To Remember', photographed by Emma Summerton 
gosto de acordar musical.
"i want you just the way you are".

24/04/12

post-it pequeno em modo non sense

eu gostava que gostasses de mim mesmo quando estou descalça.


Ele e Ela (ou o amor no Facebook)


Conheceram-se num grupo de música do facebook.
Ela de óculos redondos de tartaruga, cabelo ruivo pelos ombros, magrinha e elétrica, de unhas pequenas da cor do cabelo.
Ele de lentes de contato descartáveis, cabelo ralo nas têmporas e quase inexistente no resto, gordinho e sereno, de calça de fazenda e casaco de cotoveleiras.
Conheceram-se numa tarde de domingo soalheira, com o ar quente de Março a desafiar a roupa de verão, entre dois posts musicais – Roberto Carlos e Marylin Manson.
Ela postou o Roberto.
Ele postou Marylin.
Ela comentou - que violência.
Ele comentou - que doçura.
Ela comentou - .
Ele comentou - :-D
Ela ficou atenta aos posts dele.
Ele ficou atento aos posts dela.
Foram pondo “likes” e reticências e a bonecada habitual nestas coisas das lides virtuais.
Um dia ele deu-lhe um toque. Ela pôs-se offline.
Um dia ela deu-lhe um toque. Ele meteu conversa pelo chat.
Ele escreveu – gosto da música que escolhe.
Ela respondeu – não gosto nada da música que escolhe.
Ele escreveu - :-D
Ela escreveu – Fui.
Foram-se encontrando entre clássicos, slows e músicas comerciais.
Ele anotava num papelinho os gostos dela.
Ela anotava num papelinho os gostos dele.
De vez em quando falavam-se no chat.
Ele escrevia gradualmente entre o trivial e o filosófico disfarçado de brincadeira.
Ela escrevia o evasivo e o inconcludente.
Ele era persistente. Ela era insegura.
Ele era cerebral. Ela era romântica.
Um dia combinaram um encontro numa pastelaria às 16h.
Ele tomou uma cerveja.
Ela tomou um chá.
Conversaram, olhos nos olhos, corados e adolescentes.
Despediram-se com um aperto de mão.
Mas apaixonaram-se para sempre.



phot. by jean baptiste mondino

ando de cabeça no ar.

a dita cuja


Dita Von Teese by Milan Vukmirovic

23/04/12

Txema Yeste

Há pessoas que me fazem lembrar livros.
Porque me dá vontade
de as ler sempre mesmo quando acho que já li tudo,
e de as guardar numa qualquer estante de mim.

20/04/12

The abundance of book sculpture by Bronia Sawyer 
quando for grande quero ter uma vespa.

Hana Al-Sayed Jacob Sutton

portraits shot in an underwater environment by set designer Hana Al-Sayed Jacob Sutton

19/04/12

 
vanessa paradis by Mikael Jansson
Chloe Bello by Gabriel Rocca

às vezes apetece-me desafiar tudo e todos.

navid baraty

phot. by Christophe Jacrot

as mulheres do norte, algumas,
têm tornozelos finos.
e o seu caminhar parece um poema.

(maldito) cancro


saíu do consultório médico. tinha o nariz vermelho e os olhos aguados.
parou ao balcão. e eu reparei porque a médica saíra no seu encalço.
a mulher chorava por dentro. a médica pôs-lhe a mão no ombro e ela chorou mais.
um toque faz-nos sempre desabar. um toque de pele, uma atenção.
a mulher tinha um envelope na mão. um envelope que continha uma má notícia.
a médica despediu-se. e ela desabou.
e todos aqueles que estavam sentados na sala de espera foram espectadores passivos daquelas lágrimas.
abandonou-se ao sufoco da doença, à terrível verdade e o corpo sacudiu-se com espasmos.
tapava a cara. tapava os olhos. só não me tapou a mim.
levantei-me e aproximei-me. com o peso do passado de dois casos tão próximos em duas pessoas tão próximas.
pus-lhe a mão no ombro. ela chorou mais.
um toque faz-nos sempre desabar. eu desabei com ela por dentro.
ela agarrava o envelope com a notícia e eu agarrei-me a todas as forças que tinha para lhe perguntar se precisava de ajuda.
e quis dizer-lhe tudo quis dizer-lhe tanto quis dizer-lhe que tudo ia correr bem.
só consegui murmurar "precisa de alguma coisa"? eu estou aqui - disse-lhe.
os meus olhos encontraram os dela e choraram com ela.
dei-lhe um abraço com os olhos.
pagou, a chorar, guardou o cartão, a chorar, recebeu o recibo, a chorar.
e foi-se embora, a chorar.
pequenina no meu canto, do tamanho de uma formiga
eu chorei lentamente sem fazer barulho, borrei cara de pintura
e alheei-me do mundo e da sala de espera daquele hospital.
e pedi, pedi a não sei muito bem quem,
pedi mais uma vez, como já pedi pelos menos três vezes,
que esta maldita doença deixe de caçar mulheres e que lhes dê paz.
as minhas mulheres e todas as mulheres.
porque elas não merecem.
não merecem.

18/04/12

there is a light there neves goes out

phot. by Vivian Maier


"Take me out tonight
Oh take me anywhere
I don't care, I don't care, I don't care"

shoes


Shoes by Camilla Åkrans

Arquivo