18/01/13

dedos de tinta, impressão de amor, eu juro

escrevo coisas nos meus cadernos e agendas, com cores diferentes.
cada coisa tem seu código e, por consequência, sua cor.
as que escrevo sobre ti são a prateado ou dourado
conforme a cadência e a sofreguidão da alma.
nos dias em  que escrevo com uma dessas cores, as tuas:
por cima das palavras, coloco um dedo.
e lá o deixo ficar por momentos, por cima das palavras, o dedo.

e fecho os olhos
e nesses momentos acontecem coisas de livros e de filmes
(só porque nós somos feitos disso):

eu vejo, juro, as minhas palavras a correr para ti como sangue nas veias
eu imprimo, nos dedos, juro, as palavras que escrevo

e dos dedos, juro,
elas voltam em, rodopio, para o coração,
(a parte do meu coração feita de ti)

e sabes para quê?
para que nunca me acabem as palavras.
de e para ti.

1 comentário:

Cat disse...

tão bonito

Arquivo