14/05/13

desilusão

escrevo esta palavra, hoje, com todas as letras que conheço.
com todas as partes do meu corpo.
com toda a roupa, o carro, os momentos.
escrevo-a tão rasgada e tão vincada e tão funda.
que vou esquecer-me dela a seguir.
porque o que rasga e dilacera.
ganha crosta e depois cura.

5 comentários:

AC disse...

Choramos das feridas, mas é nelas que se fortalece o caminhar.

Beijo :)

Luis Eme disse...

apetecia-me oferecer-te outra que rima, a ilusão, mas não é nada melhor, apenas parece...

assim dou-te um Abraço, Laura.

© Piedade Araújo Sol disse...

pois.

há ferias que ficam tatuadas.

e doem.

muito.

;(

Cristina Cebola disse...

Há palavras que se esculpem com dor...mas o resultado está à vista!

Sublime!

Deixo um abraço!

Laura Ferreira disse...

Beijinhos a todos...

Arquivo