06/05/13

m ã e

- Mãe…
- Sim.
- O meu maior medo é….
- É…?
- Que tu acabes…
- Eu não acabo.
- Não podes prometer isso…
- Mas posso dizer-to, para que fiques mais descansada. Basta que acredites.
- E como acredito?
- Queres acreditar?
- Acho que… sim.
- Quando tiveres medo, pensas logo numa coisa muito boa. Mas tens que pensar com muita força e tem que ser uma coisa bem especial. Vais substituindo, lentamente, o medo, por pensamentos bons. Às tantas essas coisas boas, todas juntas, far-te-ão esquecer o medo.
- As mães têm sempre solução para tudo.
- As mães têm uma linguagem que vem do coração e que só é entendida pelos filhos…
- Mãe, quando tu acabares eu continuo?
- Claro.
- E se eu não souber ir sozinha?
- Eu ensino-te e até lá temos muito tempo. Mesmo que fosse agora, tu já saberias ir.
- Mãe…
- Sim.
- Nunca tens medo?
- Às vezes. Sabes, é o nosso cérebro que inventa, muitas vezes, o medo. E eu gosto de o fintar e comandar…para espantar o medo…
- Ensinas-me a fazer isso?
- Já estás a aprender…
- Mãe…
- Sim.
- De que é que tens medo?

(suspiro)

- De não ter tempo.
- De?
- De se esgotar o tempo para gostar, conversar. Para ser e para estar. Para colecionar as coisas de uma vida: pessoas, lugares, imagens, cores, cheiros.
- E mais?
- Aranhas.
- E mais?
- De ficar sem memória.
- Ficar sem memória?... Mas tu não podes arrancar a memória da cabeça!
- Pois não, mas há pessoas que ficam doentes e que ficam sem memoria.
- Se tu ficasses sem memória o que aconteceria?
- Deixaria de conseguir reconhecer pessoas, lugares, situações.

(pausa)

- Mãe.
- Sim.
- O meu segundo maior medo é que fiques sem memória e não me reconheças…
- Isso não vai acontecer.
- Não podes prometer isso…
- Mas tu podes enganar o teu cérebro e pensar já já numa coisa boa para não ter medo disso.
- Mãe.
- Sim.
- Vou escrever num papel o meu nome para que nunca te esqueças de mim, caso algum dia fiques sem memória…
- Sim, querida.
- Mãe…
- Sim.
- Estou com medos. O primeiro e o segundo. Vamos enganar o cérebro juntas e pensar em coisas muito boas?
- Vamos.

(texto  / concurso de escrita criativa_2013) tema: " a pior coisa da vida...."




4 comentários:

Cristina Cebola disse...

Simplesmente magnífico e comovente! É assim tal e qual o amor de uma mãe...

Beijinho e boa semana!

Laura Ferreira disse...

Obrigada Cristina, :)
beijinho grande para ti.
boa semana.

sara disse...

íssimo, íssimo, íssimo.
Beijo Enorme num abraço redondo.

Laura Ferreira disse...

Outro para ti.
Apertadinho.

Arquivo