11/09/13

A história mais devagar de sempre

Dizem que passou ali vários anos. Ele. Naquelas escadas.
À espera que a manhã se transformasse em tarde.
À espera de ter coragem para lhe falar. A ela. À mulher da saia rodada.
À espera que o vento se za...
ngasse mais.
Para que a saia dela subisse mais qualquer coisinha.
Para que a saia dela subisse o mais que pudesse subir.
(e todos os dias, manhãs, tarde
ele rezava para que fosse muito).

14 comentários:

Luis Eme disse...

rezar?

não teria sido preferível fazer um pedido ao senhor Vento?

:))

Xilre disse...

Seven year itch? :)

Às vezes falta uma corrente de ar para agitar a calmaria :)

Boa noite! :)

Mar Arável disse...

Sobe que sobe

a calçada

© Piedade Araújo Sol disse...

mas o vento, nunca entendeu!

::)

Tétisq disse...

e, ao que parece o vento aderiu à conspiração ;)

quem és, que fazes aqui? disse...


Paciência... para se alcançar o que se deseja... :) Leva anos, devagar!

Beijo

Laura

Patti disse...

Foi nos primeiros ventos de setembro?

Laura Ferreira disse...

:)

luis.... talvez fosse....

Laura Ferreira disse...

falta sim, Xilre....

Laura Ferreira disse...

Mar Arável, afinal nada aconteceu..

Laura Ferreira disse...

Piedade pois... o vento...

Laura Ferreira disse...

Tétisq... o vento prega-me cada uma....

Laura Ferreira disse...

Verdade, Laura....

Laura Ferreira disse...

Patti, o vento já vem de Julho...

Arquivo