13/11/13

enganos

encontraram-se num qualquer reverso,
um dia,
um dia em que para ela era segunda
e para ele era terça.
e, enganados no tempo, nos dias,
na vida, nas canções ...

nos perfumes e nas refeições,
encontraram-se
numa esquina:
ela ia pela direita
ele ia pela esquerda
(e por pouco não se viram)
mas na realidade acabaram por se ver
talvez porque ela tivesse que fazer um ligeiro movimento do corpo para o lado esquerdo
talvez porque ele tivesse que fazer um ligeiro movimento do corpo para o lado direito
e quando se viram
pensaram estar enganados
porque andaram uma vida enganados
a distrair o tempo com as coisas palpáveis
e as idiotices que se constroem na cabeça
e, decidiram dar o braço, enganados
e atravessar a estrada, enganados.
e diz-se que foram, enganados, pelos dias fora,
pelas estradas dos dias
e diz-se que andaram assim muito tempo.
enganados,
mas estupidamente felizes.

5 comentários:

o gajo das couves disse...

não sei o que é um engano

explica-me

Mar Arável disse...

Há paralelas
que nunca se encontram

José Boldt disse...

Que raiva Laura! Escreves tão bem.
Como eu gostava de saber escrever.
Sabes, guardo muitos dos teus textos,
Fazem-me bem.

Obrigado
JB

José Boldt disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Laura Ferreira disse...

oh, obrigada José :) quanta honra...

Arquivo