23/01/14

na alheta

eu gostava muito de pegar numa malinha piquena
meter lá dentro uma ou duas coisas
uma pinguinha de água para a sede
e uma máquina fotográfica
e um caderninho novo com folhas lisas
e um lápis e um aguça...
e um batôn gloss giro
e umas sapatilhas all star
e uma borracha para apagar eventualidades
e um livro grande que desse para espalhar por muitos dias
e depois de fechar a mala
olhava-me no espelho
para comprovar que estaria com cara de grandes acontecimentos
- aquela cara que tem cara de dias sem fazer nada
e sol e muita estrada e muita coisa nova
e muito de tudo que têm as caras que têm muito-
e pronto.
punha-me na alheta que era um mimo.

1 comentário:

Luis Eme disse...

e... tanta coisa!

não ias nada leve, Laura. :)

Arquivo