10/04/15

apego-me

Apego-me facilmente a coisas.
Pedras. Canetas. Blocos.
E depois torno-os família.
E uso-os sempre para as mesmas coisas.
Uma pedra para dar sorte.
Uma caneta para escrever poemas pequeninos.
Um bloco para anotar músicas da Vodafone FM.
Apego-me assim. A coisas que não lembram nem ao menino Jesus.
 


4 comentários:

Mar Arável disse...

A complexidade do simples

Graça Pires disse...

O afecto dos sentidos...
Beijo.

Laura Ferreira disse...

:)

beijinhos

Graça Sampaio disse...

Também eu... e chego a sofrer por elas. Não sei explicar isto...

Arquivo