13/04/15

quatro

Faziam quase tudo juntas.
Embrulhos. Bolos de arroz. Saiotes e cortinas para os quartos.
Riam alternadamente e caminhavam em contratempo.
Discutiam em coro e liam por turnos.
Ensaiavam piano a quatro mãos e dormiam todas para o lado direito.
Os coração batiam afinadinhos e pulsavam com a mesma poesia e os mesmos filmes.
Até os dedos se enrodilhavam na mesma irritação quando viam aranhas.
Faziam quase tudo juntas.
Até quando não tinham nada para fazer.

1 comentário:

Mar Arável disse...

Faziam quase tudo
na diferença

Arquivo