28/08/15

f é r i a s

Sem grande tempo para aqui voltar.
Mas sempre a lembrar-me deste meu novo canto.
O meu sitio das minhas pequenas coisas.
Estou na varanda. Fazem 29 graus. Eu faço um pouco de sombra ao meu sol.
A minha varanda, esta. Dos cigarros, das pessoas todas, do amor, da saudade.
Os dias nesta varanda são mais dias.
Esta minha varanda conhece muitas varandas de mim. 

14/08/15

uficilamente de fériaz



bou-me fartar de ter os cavelos ao bento
e andar meia trucada com as coisas i as horas i tudo
porque num fazer nenhum às bezes
é do caraitas
melhor dizendo é munta bom.
uficialmente sem fazer a ponta dum corno.

livros e ler e eu

como gosto de pensar "amanhã estou de férias".
porque no dia em que penso nisso - o dia anterior - vou comprar livros para ler nas férias.
é pois um momento que me deixa com água na boca. sim, água na boca.
quando entro numa livraria sinto-me capaz de cometer o crime do século e arriscar-me a passar os próximos anos na cadeia.
policiais, o segundo volume da elena ferrante. ao todo quatro. metidos numa saca gira, reciclável.
gosto do cheiro dos livros novos. do namoro da capa, com os meus olhos.
gosto da ideia que terei, a partir de hoje, três semanas inteiras para fazer o que me dá na real gana.
e ler. ler muito.


há imagens que me arrancam aquilo que tenho de mais fundo.


13/08/15

o meu novo sítio



o meu “Photomaton” cresceu e fez-se adulto.
foi um caminho bonito, às vezes sereno, outras revolto.
foi um caminho com muita vida dentro da sua breve vida: histórias, gentes e sítios.
o meu “Photomaton” às tantas olhou para mim e disse-me, em silêncio,
que queria mudar.
queria tornar-se adulto, ter um nome original. vestir um vestido novo.
por batôn nos lábios e um rimelzinho nos olhos.
calçar saltos altos e fazer outro tipo de viagens.
então eu escutei-lhe a cantiga amiga, de tantos anos ao meu lado.
uma cantiga de memórias, imagens, sílabas.
uma cantiga feliz por ter feito comigo um caminho ainda mais feliz.
ficamos assim um pedaço: olhos nas palavras, imagens na boca,
saudades nos dedos, histórias nos sentidos.
despediu-se de mim com um abraço apertado, daqueles que lhe ensinei,
com água de mar nos olhos e com um até já que vai durar para sempre.

o meu Photomaton fez-me ainda mais feliz as muitas vezes que fui feliz
e ensinou-me a aprender a delicadeza e a importância das pequenas coisas.
talvez por esse motivo eu tenha chamado assim ao seu vestido novo.
talvez por esse motivo eu continue a querer que ele perpetue e me prenda, sempre.
para sempre.
talvez por esse motivo ele se chame, agora, tão-somente assim:

“o sítio das pequenas coisas”.

10/08/15

os filhos da festa.

    hoje falta-me.
    a língua no palato. o joelho "bôbo". o "relaxa". como só a tua voz o sabe dizer.
    hoje faz-me falta.
    o suor a escorrer nas têmporas, o espelho a dizer “pinta-te”.
    a subida das escadas para o momento. o prato de trigo para os tigres....

    as mãos dadas. as nossas. as respirações apressadas. as nossas.

    hoje falta-me a Lisístrata, a Mirrina, a Lampito, o Arauto, os velhos, o Cinésias, as mulheres e a Reconciliação.
    hoje faz-me falta o lanche entre o ensaio. os olhos de todos. o cigarro partilhado. 
    hoje falta-me o verbo, o verso, o vento frio do ar condicionado.
    hoje falta-me o diretor certeiro, exigente, preciso e urgente.
    hoje falta-me a produtora segura, eficaz, presente e urgente.
    hoje faltam-me todos aqueles que ajudaram e que ajudaram a escrever a palavra nós / entretodos / ENTRETanto com tinta mais carregada. todos eles.
    hoje faltam-me vocês todos, atores, companheiros, mãos das mãos, um, dois, três,… muita merda.
    hoje falta-me tudo isto.
    mas também me sobra uma imensidão de coisas. que aprendi, dei e troquei.
    bem hajam. até já. até sempre.
    Junior, já podemos ir fumar?

    (fotografia de Tim Walker)

mudanças


Foram anos de divina comédia, de tanta gente, de amor encontrado.
Foram anos de palavras, histórias e silêncios.
Foram anos de teatro e partilha.
Foram anos de crescimento e descoberta.
O meu “Photomaton” cresceu, ficou adulto e decidiu voar.
Voar sozinho.
E voará, dentro de dias, em meu nome.
Em nome de Laura.
Obrigada a todos os que me seguiram por aqui e, espero, me continuem a seguir.

Até já.



07/08/15


levas todos os desejos.

by Sally Mann 


porque todos os meus desejos vão dar a ti.

05/08/15

faltas-me

o teatro afasta-me de tudo.
das gatas, da casa, de ti.
mas o teatro também faz com que me encontre.
e, perto de mim,
estou incomensuravelmente (mais) perto de ti.
 

Ralph Gibson


Arquivo