02/03/16

janelas

já aqui o disse e volto a dizer.
adoro janelas.
fotografo-as, frequentemente, e depois ponho vida dentro delas.
mulheres com histórias. e histórias com mulheres.
imprimo-lhes cortinados de palavrinhas janotas e, na primavera, pinto-lhes os lábios de vermelho.
tenho uma colecção de janelas enternecedora.
tenho janelas de estimação e janelas-amuletos.
tenho janelas de língua afiada e janelas caricatas.
tenho janelas que me perturbam estupidamente e que me arrancam um sorriso rasgado.
já me debrucei em várias e já fiz as pazes, comigo, numa em particular.
já tomei decisões irrevogáveis na minha janela da sala.
e, na minha janela da sala, já fumei cigarros, tão bem acompanhada, com a minha solidão.

as janelas que me circundam - as da minha casa e da minha vida -
têm vistas para dias aproveitados
com conversas, reflexões e mudanças.

alcançam objectivos e guardam memórias.

e abrem-se de par a par,
para me receber todos os dias.

9 comentários:

No Meu Quarto Andar Sem Cave disse...

O teu texto das janelas, fez-me lembrar um jogo de criança que tinha com os meus primos em casa da minha avó. A ideia era estarmos todos à janela e cada um escolher uma cor. E contava-se os carros que passavam. Ganhava aquele que contabilizasse mais carros da cor escolhida :) a verdade é que se passava a tarde toda à janela :))

Beijinhos Laura :)

Graça Sampaio disse...


«Tenho quarenta janelas
nas paredes do meu quarto.
Sem vidros nem bambinelas
posso ver através delas
o mundo em que me reparto.
Por uma entra a luz do Sol,(...)

Oh janelas do meu quarto,
quem vos pudesse rasgar!
Com tanta janela aberta
falta-me a luz e o ar.»

A. Gedeão

Luis Eme disse...

Também gosto muito de janelas.

E ainda de portas, candeeiros, bancos públicos...

Luis Eme disse...

Falei do que gosto de fotografar, Laura.

Ao ler o comentário da Glória, lembrei-me que a janela da sala da minha casa de infância era quase um écran de cinema, onde via filmes do quotidiano, ou seja a vida da minha rua, as pessoas que passavam e falavam umas com as outras, os carros, as motas, as bicicletas, os cães...

E travesso como quase todas as crianças, adorava os "filmes" em dias de chuva, num tempo em que a rua ainda era de terra e onde se formavam poças de água e lama, com alguns condutores mais distraídos e apressados a deixaram-me a sorrir ao pintarem as pessoas de castanho. :)

Eros disse...

Ora cá está uma das minha kryptonites... Já fui e sou tão feliz em algumas delas... :)

Laura Ferreira disse...

que saudades desses jogos de criança, VZd4 :)

beijinhos

Laura Ferreira disse...

Graça, obrigada pelo mimo. :)
adorei

Laura Ferreira disse...

Luís, as nossas infâncias recheadas de histórias :)

Laura Ferreira disse...

Eros :)

Arquivo