13/04/16

estramente estranha


                                       phot. Pedro Tudela | http://pedrotudela.tumblr.com/


cruzo-me frequentemente com estranhos
que, previsivelmente me devem achar estranha
porque de facto sou e quero ser e faço-o para que seja.

essa estranheza pasma-se-me nos olhos, em dias de cinema
revoluciona-se-me no peito, em mãos de calmaria
mora em cada recanto do meu corpo-morada
e também me titubeia os caracóis dos sentidos.

essa estranheza estranha nasceu comigo
acorda e vive comigo
e comigo há-de perecer.

e as duas numa sombra só
seremos lívidas, elegantes, vadias
e estranhas.

Sem comentários:

Arquivo