28/06/16

cheiros

há mais ou menos 20 anos atrás andava eu atrás de um perfume. de um perfume que fosse a minha cara e a minha pele. um perfume que marcasse, que me marcasse com um carimbo de originalidade.
foi em Lisboa, numa perfumaria de um centro comercial, que encontrei uma vendedora (com letra enorme) que me recomendou o dito perfume, depois de um longo interrogatório sobre gostos, particularidades de carácter, costumes e manias.
o escolhido foi da estée lauder,"intuition".
curiosamente tem-me apetecido voltar a esse perfume. na época comprei-o e toda a gente me dizia que me assentava que nem uma luva, ainda que o achasse doce e intenso demais.
acabei por encostá-lo por preferir outros mais frescos e leves.
guardei o frasco meio cheio ainda durante anos. como se aquele resto fosse um desígnio que fizesse parte da minha existência e, deitá-lo fora, fosse sinónimo de castigo divino.
numa das mudanças de casa deve ter ido parar ao lixo, com as pazes feitas comigo.
entretanto elegi o meu perfume preferido (de coração); aquele que me faz sentir especial - agent provecateur, "maitresse". 
recebi-o hoje por correio (não o encontro em Portugal) e sempre que isso acontece apetece-me fechar num qualquer sítio para me deliciar a abrir a embalagem e conversar com o cheiro familiar que me acompanha há uns anos.

mas o "intuition" continua no meu horizonte.
quanto mais não seja vou voltar a experimentá-lo.
a minha vida mudou. a pele também. 
provavelmente vou achar, agora, que me fica bem.
provavelmente vou comprá-lo e absorvê-lo até à última gota.

(com a idade vou deixando de fazer pazes porque vou deixando de me zangar.)




2 comentários:

Isabel Pires disse...

Laura, este assunto do perfume é interessante.
Uso diariamente o Euphoria da Calvin Klein desde que foi lançado no mercado, em 2005.
Até aí tinha experimentado outras fragrâncias, mas não cheguei a identificar-me totalmente com nenhuma.
Entretanto, e a pensar na possibilidade de um dia este perfume sair do mercado, falei com a dona da minha perfumaria. Achei curioso ela dizer-me que na opinião dela não devia mudar porque faço parte do lote de clientes que 'veste' um perfume, que o incorpora e lhe dá algo seu, o mistério. "Sabe que mesmo que eu esteja de costas sei que é a Isabel que vem a entrar... e eu vendo o perfume a mais gente? Significa que é o seu perfume porque lhe imprime marca própria."
Portanto, se um dia acabar, logo se vê. :)) De facto, é com este que me sinto eu!
Voltei a experimentar os antigos, mas não deu.

Laura Ferreira disse...

Isabel, também tenho esse. E gosto muito.
Uso-o em situações pontuais.
Esta questão dos perfumes daria de facto pano para mangas... :)

Arquivo