15/09/16

peso pesado


Pesam-me as mãos, hoje, de papéis rasgados e sonhos contraídos.
Pesam-me os olhos, hoje, de visões turvas e enganos inibidos.

Pesa-me hoje o mundo em todo o corpo
e pesa-me o leve de já ter sido.

6 comentários:

Teresa Borges do Canto disse...

lindo, este poema; e tão verdadeiro.

Laura Ferreira disse...

obrigada Teresa.
sentido, sim.

conta corrente disse...

Belo.

Monica Almeida disse...

Realmente,temos momentos em que as coisas pesam imenso,mas temos que pensar positivo e ver que há maneiras muito boas de aproveitarmos a nossa vida!!

Laura Ferreira disse...

obrigada, CC

Laura Ferreira disse...

Sempre, Mónica, ou quase sempre :)

Arquivo