19/10/16

cinema



Gosto de ver a vida a passar através da janela do meu carro.
Como se fosse cinema, a vida: os pássaros, as árvores, os passeios e as mulheres de saltos altos; os prédios, os vendedores de rua, os cães e as montras das lojas.
A vida, vista através dessa janela, faz-se num plano apertado com luz aveludada e imprevista.
A vida faz-se numa banda sonora de cores, motivos, pormenores e sombras.
Se encostar a minha mão ao vidro posso fingir que lhe toco, à vida.
Fingir que afiro:
a suavidade das penas dos pássaros
o arrulhar das folhas numa cantiga, plácida, de Outono
a música dos sapatos das mulheres graciosas
o cheiro das famílias a esgueirar-se pelas frestas das casas
as palavras aprendidas dos vendedores móveis
a respiração apressada dos cães errantes
e a orquestra, de vida, de sons cheios de vida, das lojas cheias de gente.

Gosto de fazer cinema com quase nada.
E meter, em bocadinhos de cinema nos meus olhos, bocadinhos de quase tudo.


A partir desta belíssima fotografia, gentilmente cedida pela Sónia.
Há mais desta arte no http://ocorpoestremecedesaudade.blogspot.pt
(muito) obrigada.

12 comentários:

S disse...

Obrigada eu pelas palavras!
:)

luisa disse...

A vida é bela neste filme. :)

conta corrente disse...

Obrigado

o que eu gosto de te ler :)

Luis Eme disse...

Gostas de tantas coisas boas, Laura. :)

(só agora ao reler a resposta a um dos teus comentários no "Largo" é que percebi que posso ter sido mal entendido - pois dei a impressão que estava chateado contigo)

Gaja Maria disse...

Um filme vivido na primeira pessoa, com odores, visões e emoções. Bonito Laura

Mãe Maria disse...

lindos fingires. Nunca tinha pensado nesta tela de cinema. Gostei muito

Laura Ferreira disse...

S, o prazer foi meu :)

Laura Ferreira disse...

Luísa, obrigada.
beijinho

Laura Ferreira disse...

CC, e eu gosto de te ver por aqui :)

Laura Ferreira disse...

Luís, não me apercebi de nada.
nunca me poderia chatear contigo porque não te conheço pessoalmente :)

Laura Ferreira disse...

GM, obrigada

beijinho

Laura Ferreira disse...

Mãe Maria, experimenta um dia.
vais ver que encontras música onde ela não existe :)

Arquivo