25/10/16

sonhos & sentidos


Hoje acordei dorida. Acordei sentida de sentir.
Não sei o que sonhei. Apenas sei que era translúcido e não tinha cheiro. E isso incomodava-me muito, o não ter cheiro.
Sei que andei no seu encalço (dessa tal coisa que nem sei se era coisa) e que fiquei cansada e ofegante e lá aparecia a cara da minha mãe (no canto esquerdo do ecrã do sonho) a dizer-me com voz de pó-de-arroz “Laurinha não devias fumar tanto minha filha”… e a coisa fugia-me e às tantas estava a jantar com a Sally Field da série “Brothers and Sisters” e de coisa já nem sombra nem coisa nenhuma e depois tudo se tornava líquido, com cores que ondulavam como serpentes e picos de som intermitentes que pululavam com olhos animados.
Acordei vazia de cores e com a pele cansada.
Talvez no sonho de hoje a encontre, a tal coisa.
Se a encontrar, peço-lhe que me explique porque me faz isto, amiúde, aos meus sentidos.

8 comentários:

Isabel Pires disse...

Laura, e não dás ouvidos à tua mãe?

Maria Eu disse...

Perdermo-nos em sonhos estranhos pode ser esgotante. E,já agora, reitero a pergunta da Isabel: Laura, e não dás ouvidos à tua mãe? :))))

Beijos

Teresa Borges do Canto disse...

Talvez consigas reatar esse sonho. Se "a coisa" era translúcida e não tinha cheiro, também não cheirava a tabaco; seria um anjo?

Laura Ferreira disse...

Isabel, bem devia.
(ando a começar a fazer a preparação psicológica para...)

Laura Ferreira disse...

Maria, um dia dou mesmo :)

Laura Ferreira disse...

Teresa, sei que me deu uma trabalheira danada...

Eros disse...

:)

Laura Ferreira disse...

:)

Arquivo