16/11/16

a minha irmã Kiki e o seu estilo (únicos)

ikko tanakas / second collection


Quando vi esta fotografia lembrei-me da minha irmã do meio – a Kiki.
E lembrei-me imediatamente de – estilo.
Estilo próprio, característico, invulgar.
Sabemos sempre que vai ser assim. De branco, de grenat, de escuro. Com malhas, sedas, panos.
Há sempre ali um apontamento – na roupa ou nos acessórios – que me faz pensar “xiça, é mesmo a minha irmã”. Ou, “esta peça tem a cara dela”.
Dá labor, construir um estilo único. Estendê-lo para vida fora, ir-lhe dando laivos de maturidade rebuscada.
Nunca sei como vai aparecer a minha irmã: se toda de branco (com o branco imaculadamente branco, como se fossem peças acabadas de comprar), se de óculos vintage a combinar com tudo, se com tudo a combinar com o resto todo, se de vestido feito por ela, em malha, de loura de cabelo liso, se loura com os caracóis secos pelo secador com as pontinhas, junto ao rosto, lisas.
Mas sei uma coisa: é que apareça ela como aparecer, vou pousar os meus olhos na sua figura e ficar-me por lá, a passear nos incomensuráveis detalhes.

(mana, diz-me por favor a marca do detergente com o qual lavas a roupa branca. é que nunca me lembro de te perguntar...)

14 comentários:

Isabel Pires disse...

"Dá labor, construir um estilo único." - fiquei a pensar nesta questão...
Não será a criação do estilo um processo natural? Estou em crer que sim. O sentirmo-nos ou não bem com determinado figurino, a que a ousadia, a surpresa e o mistério não são estranhos.

Laura Ferreira disse...

entendo a tua questão, Isabel.
mas também creio que um estilo consciente e "trabalhado" dará algum labor.

ana disse...

quando te leio sobre as tuas irmãs, fica-me sempre uma nostalgia por não ter uma...
beijo

Graça Sampaio disse...

Quem me dera saber ser como a Kiki...

Laura Ferreira disse...

acredito, Ana.
é muito bom tê-las.
beijo grande

Laura Ferreira disse...

Podes crer, Graça. Eu já sou "grande" e ainda ando a aprender :)

Gaja Maria disse...

Há pessoas que têm um carisma próprio e o põe em tudo o que usam, sempre fieis a si próprias. Gosto :)

Imprópriaparaconsumo disse...

Dava jeito saber o nome desse detergente! :)
Um estilo único não é para qualquer pessoa e concordo que dê algum trabalho
:)

Laura Ferreira disse...

GM, é mesmo isso.
também aprecio muito :)

Laura Ferreira disse...

Imprórpia, prometo avisar quando souber. :)

deep disse...

Estou como a Isabel: a criação de um estilo é, certamente,natural. Se der trabalho, talvez seja sinal de que se pretende copiar alguém ou construir uma personagem para causar impacto nos outros. Aliás, alguém "com estilo" pode até intimidar. Em qualquer um dos casos, falta naturalidade. :)

Mãe Maria disse...

é tão bom ter um estilo próprio. A minha filha caminha nesse sentido. Já eu,sou uma desgraça.

Laura Ferreira disse...

Deep, entendo o teu ponto de vista.
no caso da minha irmã, o trabalho que tem, muitas vezes, é de encontrar alguma coisa que ligue com o seu estilo.

Laura Ferreira disse...

Mãe Maria, mesmo que penses que não, terás decerto o teu.
toda a gente tem.

Arquivo