08/11/16

política, jornalismo e a eleição Americana


Gosto de política. Até gosto muito.
Mas não me identifico minimamente com os políticos Portugueses. Não há ideias consistentes e políticas coerentes. Não há pessoas que me inspirem confiança. Os partidos e as políticas dos partidos e as pessoas que criam as políticas dos partidos fazem parte de uma roda gigante de mais-do-mesmo que funciona só para alguns e beneficia só alguns. Ainda por cima os “só alguns” que vejo por aqui saltitam de poleiro em poleiro, de partido em partido, à cara podre, com malabarismo ignorante.
Incomodam-me muitas coisas na política assim como me incomoda o jornalismo que faz da política, atualmente, um giro de mediatismo e sensacionalismo, alimentados por cadeias de televisão e rádio.
Hoje estou sensível a este tema da política. Talvez por causa das eleições, do outro lado do Atlântico.
Hoje é dia de eleições americanas. Escolhe-se mais um presidente dos Estados Unidos da América. Escolhe-se, provavelmente, aquele que nunca ganharia, se Trump não estivesse na corrida.
Resta saber se o rancor e a ira, disseminados por Trump, durante a campanha eleitoral, se ficam por aqui e se não criaram mais um rastilho e um caminho para muitos que se viram mergulhar nesta crise global.
Hoje, todas as cadeias de televisão, revistas, jornais e rádio do mundo têm os olhos e os ouvidos postos na América.
Eu, que nem percebo grande de coisa de política, também estou lá, com eles, à espera do resultado.
Pode ser que entretanto se faça ouvir ou ler qualquer notícia procedente de um qualquer jornalismo que seja sério.
Ainda não perdi a esperança. No jornalismo, claro.


(nos políticos do meu País, há muito que a perdi)

12 comentários:

Victor Barão disse...

Bem! No relativo a política e a políticos, especialmente ao nível profissional e eleitoralista interno (nacional) nem me apetece dizer mais do que quiçá contra mim mesmo começo a ser já um crónico abstencionista _ acredito que haja excelentes pessoas e/ou políticos no meio, mas a regra como mínimo desilude-me, recorrentemente.

No presente momento nos EUA, diria que eleger Hillary _ assim seja _ é o menor dos males, já que a outra opção Trump se me afigura como um altíssimo risco para o próprio Globo.

Que sem esquecer o jornalismo parece-me humildemente a mim que este último tem vindo a cair numa espécie de nebulosa entre informação e tendenciosos interesses político/económicos _ de resto eu que gostava muito de ler a imprensa escrita, na ultima década fui perdendo esse prazer, até à (quase) nulidade presente.

Talvez ainda não tenhamos chegado ao "fundo do poço", político/jornalístico, mas de qualquer modo é quando tudo está mais cinzentão e/ou até mesmo se afigura negro, que por semi-objectiva ou intuitiva necessidade a Esperança e a Fé mais prevalecem!

Saudações

Cadinho RoCo disse...

Triste constatar a hipocrisia instalada na natureza humana.
Cadinho RoCo

Gaja Maria disse...

A América e o mundo está em suspenso por estes dias, vamos ver o que vai dar isto tudo. Quanto ao jornalismo... está podre.

Eros disse...

Deu uma bela Trampa... :/

Isabel Pires disse...

Estou contigo no que à esperança diz respeito, ou melhor, à falta dela. Extensivo ao jornalismo.

Laura Ferreira disse...

Victor, só li este teu comentário hoje. e falavas tu (e bem) de nebulosidade no que respeita ao jornalismo. et voilá.
hoje é um dia novo. esperemos que com mais esperança.
será?

Laura Ferreira disse...

CR, há tanta coisa triste nos dias que correm...

Laura Ferreira disse...

GM, precisamos de cultivar coisas diferentes. mais sadias.

Laura Ferreira disse...

Eros, e não é que deu?

Laura Ferreira disse...

Isabel, extensivo a tantas outras coisas.

Victor Barão disse...

...precisamente (também) pelo "novo dia" que é hoje... com a realidade corrente e mas esperançosamente contracorrente, o que apesar de e/ou até por tudo mais nos resta mesmo senão ter esperança!? Bem! Incluindo desde logo procurar construir uma realidade diferente, a partir de nós mesmos _ eu faço-o, se com maior ou menor sucesso não o sei definir, mas o simples facto de aqui estar a escrever estas linhas comparativa ou mesmo inversamente a um meu passado remoto e até relativamente recente equivale, por assim dizer, a uma verdadeira revolução pessoal/interior própria, salvo a imodéstia, creio eu que para positiva e vitalmente melhor!
E se com a devida licença me é permitido, como mera referência própria do que acabo de escrever atrás, em especial a meu próprio respeito, deixaria aqui o seguinte URL: _ curiosidades(reveladoras).blogspot.com , que basicamente é um blogue onde apesar de algo descontinuadamente escrevo acerca de muitas coisas e mas não raro com base em mim mesmo e/ou até acerca de mim mesmo, espero e creio que duma perspectiva não unilateralista ou absolutista e mas sim (pró) universalista e evolucionista.
Já agora perdoe-se-me o discurso, mas até porque falo pouco, compensatoriamente tendo a escrever muito! :)
Abrç de amizade

Laura Ferreira disse...

obrigada pela partilha, Victor :)

Arquivo