15/11/16

recado em forma de tecido.


Anda, deita-te aqui ao meu lado que eu hoje sou veludo.
Põe o teu pé debaixo do meu como é teu costume.
Enlaça-me com o braço direito, pela cintura.
Chega-me a ti, num movimento só, súbito, suave, suado.
E deixa-te ficar assim: miúdo, a procurar a minha pele debaixo dos tecidos
E deixa-me ficar assim: miúda, a sentir o teu toque a atordoar-me os sentidos.

(como é nosso costume).

11 comentários:

Alaska disse...

Que bonito! :)

Impontual disse...

Que bonita esta cumplicidade confeccionada a fina lã de caxemira!

Isabel Pires disse...

Laura, gostei tanto de te ler assim... :)

Laura Ferreira disse...

Alaska, é tão sentido! :)

Laura Ferreira disse...

Impontual, eu trato muito bem este meu tecido :)

Laura Ferreira disse...

Isabel, e eu gosto que tu tenhas gostado :)

conta corrente disse...

Está espectacular :) como só tu sabes.

Gosto dessa tua relação com a pele e o toque.

Agridoce. Santo e pecado. Angelical e demoníaca. Doce e salgado.

Elegante é a palavra.

Laura Ferreira disse...

CC, obrigada pelas tuas palavras :)

Victor Barão disse...

belas: imagem e palavras!

Laura Ferreira disse...

Obrigada, Victor :)

Maria Eu disse...

Tão bom, esse toque que embriaga!

Beijos, Laura :)

Arquivo