03/11/16

se a minha cabeça de criança falasse


Audrey Hepburn photographed by Cecil Beaton, 1964

ícone, sem dúvida. ídolo (meu), sem dúvida.
lembro-me de a ver pela primeira vez em criança. ainda a televisão de casa dos meus pais era a preto e branco. e de ficar quieta, muda, estática, arregalada.
fui coleccionado, pela vida, memórias, recortes e interpretações.
comove-me ainda hoje vê-la a cantar o "Moon river" ou a caminhar como se flutuasse.
comove-me ainda hoje (muito) a sua elegância, elegante até ao fim.
continua a ser, para mim, uma referência de indiscutível beleza, elegância e sobriedade.

8 comentários:

Luis Eme disse...

Sim, é a elegância, a leveza, a tranquilidade, Laura.

C.N. Gil disse...

Sem dúvida. Descrevê-la-ia como "Serena"...

:)

Eros disse...

Sim, há uma elegância e requinte inegáveis, mas também sempre lhe senti uma aura intocável, como se vivesse envolta numa redoma invisível...

Mar Arável disse...

Um cristal mais leve que o seu brilho

Laura Ferreira disse...

Luís, única :)

Laura Ferreira disse...

CN Gil, sem dúvida.

Laura Ferreira disse...

Eros, talvez por ter um ar frágil, não sei.
mas ao mesmo tempo tão forte!

Laura Ferreira disse...

Mar, e tão brilhante!

Arquivo