29/12/16

as meninas da Calzedonia


A menina que me atendeu, ontem, numa loja da Calzedonia, deixou-me meia apardalada de embasbacada e a embasbacação deveu-se ao facto de a menina:
Ter os lábios pintados de cor-de-burro-quando-foge;
Ter umas unhas postiças que pareciam um qualquer instrumento de podar a terra com uma cor igualmente fugitiva;
Estar tão apertada nas leggins que usava que tudo palpitava, em desespero de causa, na parte superior do seu corpo;
Ter a cabecinha meia de lado quando digitava com os dedos (de lado, por causa das garras) o valor da conta a pagar pelas freguesas apardaladas;
Ter uma camada de base tão grande mas tão grande, no seu rosto, que se lhe passássemos um dedo, poderíamos perfeitamente sulcar uma estrada;
Não ser de todo simpática e morder repetidamente repetidamente o lábio carnudo e olhar-se no grande espelho, colocado na parede à sua direita;
Trocar todos os vês por bês;
À parte desta menina, todas as outras meninas estavam igualmente apertadas em leggins barra meias barra calças slim barra calças slim que puxam o rabinho para cima e mordiscavam amiúde o lábio como se fosse uma ordem superior,

Mas essas meninas eram bem mais simpáticas que a outra menina;
uma dessas meninas (de nome Kátia) acompanhou-me ao provador com os cabelos encaracolados a saltitar e meteu-me lá dentro e fechou-me a cortina e depois abriu-a para ver as calças que me tinha impingido e quase me apanhou, em cuecas, a vesti-las e depois quando mas viu vestidas disse “uau que bem que lhe ficam” e fechou a cortina e eu por acaso até decidi levar as calças e por acaso até tinha caído bem que a menina Kátia estivesse à minha espera quando saí, esbaforida de calor daquele provador com cheiro de gente, mas não estava, a menina Kátia já estava agarrada a outra freguesa e quando saí, depois de pagar a conta (com a primeira menina que descrevi), desejei Bom Ano à menina Kátia com o meu melhor sorriso mas ela não me ligou grande coisa porque já se encontrava a empurrar outra freguesa para o provador.

Saí da Calzedonia com a cabeça cheia de calor e meninas e tudo e prometi a mim mesma que teria de escrever este texto porque as meninas da Calzedonia são de facto umas meninas que parecem ter sido produzidas numa fábrica de fazer meninas para a Calzedonia.

19 comentários:

No Meu Quarto Andar Sem Cave disse...

Uma vez fui comprar umas leggins à Calzedonia e a menina, super produzida, dizia-me que certamente me servia o tamanho S, argumentando que era esse o seu tamanho. Acrescento que a menina era bastante mais "larga" :) e estou a ser simpática :)

josé luís disse...

:D
iwishtheyallcouldbecalzedoniagirls...
(imaginar este letra ao som dos rapazes da praia)
https://youtu.be/fmIsdMWzdaE
um feliz ano novo (isento de calzedoniagirls)

luisa disse...

Há-as assim na Calzedonia e não só... :)

Gaja Maria disse...

Essa fábrica de meninas para a Calzedonia havia de as mandar cortar as unhas/garras, a essas e às outras todas que usam garras, metem medo, acho tão feias :)

conta corrente disse...

Adorei a descrição.
E faz sentido o nome de Kátia.
No fundo dá sentido ao cenário das unhas, base e leggins... O uso do K é a versão pobre dos dois LL nos nomes.
Muito bom :)

Alaska disse...

Eu gosto de mulheres simples, com uma maquilhagem neutra, há uma beleza pura que grita nessas mulheres. :)

Deixo-te um beijo no coração, Laura. :)

ana disse...

coitadas, talvez sejam obrigadas a ser assim...:)

mz disse...

Talvez se transformem quando lá entram, vestindo o fato que lhes exigem.

Gostei muito do texto, fez-me rir :)

Laura Ferreira disse...

Pois a mim a Katia me impingiu o S. Mas por acaso serviu :)

Laura Ferreira disse...

José Luís, música muito bem escolhida.
Mas eu tirava-lhes as leggins e substituiria por collants :)

Bom ano!

Laura Ferreira disse...

Luísa, há-as assim em toda a parte. Crescem como cogumelos nesta sociedade...

Laura Ferreira disse...

GM deviam cortar as garras e tentar reciclá-las para qualquer coisa :)

Laura Ferreira disse...

CC, obrigada que bom que gostaste :)

Laura Ferreira disse...

Alaska eu também. Cada vez menos a uso.
Diz-me uma coisa: já não se pode comentar o teu blog?

beijo doce

Laura Ferreira disse...

Ana, ou não. Acredito mais que gostam de se aperaltar assim...

Laura Ferreira disse...

MZ, ainda bem que te fez rir.
fico contente :)

Alaska disse...

Eu uso um creme hidratante com cor, tom claro (sou branquinha), rímel e batom. E de quando em vez um anti-olheiras. E estou pronta. :)

É, eu encerrei os comentários, para já, sim, porque ultimamente tenho escrito textos demasiado pessoais, então... :) Mas continuo aqui, atenta a este cantinho, que também é a minha casa, e que me veste o corpo de palavras. :)

Laura Ferreira disse...

Alaska, assim simples é bonito.

Quanto aos comentários,entendo perfeitamente. Também és muitíssimo bem vinda aqui e sim, fazes parte deste pequeno sítio.

um beijo grande e doce

Isabel disse...

Ah!Ah!Ah!

Às vezes há meninas muito irritantes, nessas lojas.
Logo crescem!

Arquivo