29/12/16

diane von fustenberg

ontem adormeci embalada num perfume que já não uso há muitos anos.
mas a memória dele habita-me as partes do corpo onde a noite se entranha, como dedos e sombra líquida.
ontem adormeci com cabelos acabados de lavar
e rosto moreno de sal.
ontem adormeci como dança
e sonhei-me ar.

6 comentários:

Isabel Pires disse...

Laura, a memória olfactiva tem que se lhe diga!
(Agora a sério: sabes que é o único sentido que se consegue "enganar". É por isso que conseguimos trabalhar nas lixeiras, que deixamos de sentir o cheiro do nosso perfume... Há dias ouvi uma entrevista a um perfumista.)

Manel Mau-Tempo disse...

diz-me para onde dormes, que quero dormir igual :)

Gaja Maria disse...

Que sonho bom :)

Laura Ferreira disse...

Pois tem, Isabel.
E é um sentido muito importante, pelo menos para mim.
A minha vida é também, e muito, feita de odores.

Laura Ferreira disse...

M M-T durmo naquela curva do sono depois da lomba a seguir À curva apertada à esquerda :)

Laura Ferreira disse...

GM este foi.
Ainda tenho alguns que põem a cabeça à razão da juros...

Arquivo