09/01/17

empadão de coisa nenhuma

 by sofia sanchez & mauro mongiello

devo ter passado a noite a metamorfosear substâncias, dentro do meu corpo.
hoje de manhã quando acordei
tinha a boca a saber a sílabas trocadas e metonímias e sons nasais.
ai aquilo afligiu-me porque não estou habituada a sentir azia com parágrafos em branco.

talvez possa, de tarde,
fazer um cozinhado interior de aproveitamentos destas aparas, meias cruas
e quem sabe, amanhã acordar,
com um vocabulário-repasto digno de degustação.

12 comentários:

Existe Sempre Um Lugar disse...

Boa tarde, por isto ou aquilo, nem sempre acordamos como desejamos, com criatividade e motivação é sempre possível deixar de sentir a azia com parágrafos em branco, assim, acordar no outro dia com parágrafos repletos de sabor.

AG

luisa disse...

Ainda assim sai-te bem o texto. A mim, soube-me bem lê-lo.

CCF disse...

Com os restos já se sabe, fazem-se coisas incríveis!
~CC~

Moonchild disse...

que te seja boa a cozedura!

boa noite

-___-

Gaja Maria disse...

És uma caixinha de surpresas boas :)

Mae Maria disse...

adorei o teu texto embora meio azedado..será que escrevi direito a última palavra? olha, nem sei. Por vezes o portugu~es correto foge-me dos dedos ou da mente..beijinhos e as melhoras.

Laura Ferreira disse...

AG, as minhas digestões são sempre profícuas :)

Laura Ferreira disse...

Luísa e eu fico contente com isso.

(hoje já estou melhorzinha) :)

Laura Ferreira disse...

CCF, verdadeiras obras, nem que seja em pensamento :)

Laura Ferreira disse...

Moonchild, foi mais estufado :) ficou em lume branco uma data de horas...

Laura Ferreira disse...

GM, obrigada :)

um dia destes convido-te para um repasto :)

Laura Ferreira disse...

Mãe Maria, felizmente o azedado ficou no ontem. :)

hoje já estou pronta para as curvas :)

Arquivo