07/03/17

aprender remédios


(autor desconhecido)

Quantas vezes respiro fundo.
Deixo que as palavras, como facas, façam o caminho do cérebro até à alma e da pele até ao sangue.
Depois de lá estarem um qualquer procedimento divino acontece para que não me doa, para que não sangre.
Respondo-lhe, a ela, com a calma em pranto e a boca em fel.
Um dia deixará de doer
e um dia ela não precisará mais de facas.

5 comentários:

Moonchild disse...

eu poderia dizer...um dia não sentirei mais o corte ínfimo das mesmas!


boa tarde


-___-

Impontual disse...

Ao contrário da dor aguda - que tem o condão de nos alertar para alguns estímulos negativos - a dor crónica não oferece qualquer vantagem. :)

Isabel Pires disse...

Laura, esse exercício só faz sentido se fores obrigada a lidar com ela, a ela referida... Caso contrário, não poderia ir à vida?

luisa disse...

É preciso acertar nas doses do remédio.

Gaja Maria disse...

Os remédios como tudo na vida têm de ser q.b. por causa dos efeitos secundários :))

Arquivo