31/05/17

o amor em pequenino, com migalhas




(autor desconhecido)

Ele: Cada dia gosto mais de ti e olha que o que digo é mesmo a sério e mesmo sendo pequeno sei o que digo não sou rapaz para andar aí a dizer coisas sem sentir e já viste que nem me apetece jogar à bola nem jogar no tablet da minha mãe nem apreciar a roupa que o meu pai veste para saber vestir-me quando crescer e nem tão pouco sentar-me à frente da televisão a ver os bonecos animados com vozes portuguesas estridentes… não, prefiro ficar aqui juntinho a ti gosto do cheiro do teu shampoo e gosto que tenhas os cantinhos da boca sempre cheios de migalhas, se eu fosse mais crescido tirava-te as migalhas com um beijo educadinho mas como somos miúdos ainda não me é permitido fazer esse tipo de coisas. És mesmo bonita. Esse vestido fica-te a matar e tens umas pernas para lá de direitinhas.
Estou maravilhado, dentro do que me é possível maravilhar, tendo em conta a idade que tenho. A minha mãe diz que um dia vou ser advogado porque falo muito e às vezes bastaria uma frase muitíssimo mais pequena para dizer aquilo que sinto mas pronto é assim que eu sou e tudo isto para te dizer que gosto de ti hoje e até ter idade para te dar um beijo porque a partir desse dia sei que vou gostar ainda mais.

Ela suspira.

Ela: Então agora cala-te e tira-me as migalhas do lado direito da boca.

30/05/17

Alien: Covenant

Que ia gostar do filme, sabia eu; sou fã desde sempre.
Até tenho uma caixinha com toda a coleção e cheguei mesmo a comprar o boneco em NYC, numa loja de brinquedos daquelas de cortar a respiração.
Ridley Scott volta ao universo “Alien” com a mestria que lhe é habitual: o bom gosto, a poesia das imagens, o cuidado depuradíssimo no pormenor.

No elenco, um incrível Michael Fassbender e uma Katherine Waterston vestida mais ou menos no papel de Ripley, mas saindo-se, na minha opinião, muito bem.

Agradou-me substancialmente o facto de o filme ser passado também fora da nave espacial, num local que aparentemente parece o paraíso…
Ah. E até tem música de Wagner.

Recomendo, recomendo, recomendo.

amo todos aqueles cuja música mexe com o meu silêncio

Il violinista. Venezia, 1941. Tony Vaccaro


29/05/17

do pudor

(autor desconhecido)

o pudor que mais gosto nas pessoas
é o que, despudoradamente se encobre.

Arquivo