15/05/17

a minha vida teatro

phot. Camilla Åkrans

o que nos faz, por vezes, ser especiais,
é a quantidade de coisas sublimadas em palavras histórias e risos, é a capacidade aprendida de tolerar, resgatar e continuar.
é a inveja dos outros e a nossa própria teimosia,
é não ter medo de arriscar
são as coisas difíceis e pesadas que nos fazem subir sempre mais um bocado.
é conseguir ser ao mesmo tempo actor e espectador
e ter sempre um caderninho na carteira, para ao fim do dia, vermos os apontamentos que tomamos, sobre nós próprios.
e corrigir.
como se fosse uma peça de teatro.
em que o encenador somos nós e nós dizemos sempre:
não está bem ou está bem mas podes fazer melhor.

20 comentários:

Janita disse...

Concordo, Laura, mas também penso que não devemos ser excessivamente exigentes - nem mesmo connosco. :)
Quando atingimos o muito-bom, para quê pretender alcançar a perfeição se ela não existe?

Beijo.

Gaja Maria disse...

O engraçado é que podemos sempre fazer melhor, mas vamos com calma, fazer já é muito bom :)
Bjs

Andreia Morais disse...

No fundo, é sermos pessoas reflexivas, atentas connosco, para procurarmos sempre a melhor maneira de crescermos.

r: Muito obrigada :)

Sim, só essas valem a pena!

Luis Eme disse...

Gosto das tuas palavras e da forma como enfrentas a vida e o palco, Laura.

Isabel Pires disse...

Laura, gostei especialmente do não ter medo de arriscar (se bem que não me revejo no arriscar sem alguma ponderação), das coisas que nos fazem subir mais um bocado e da humildade e da sabedoria para corrigir e melhorar.

Victor Barão disse...

Uma perspectiva que creio entender perfeitamente _ dependente ou independente da sua plena concretização prática!
Excelente semana para a Laura

Manu disse...

Arriscar, ousar, reflectir, modificar, são posturas com as quais me identifico.

Beijinhos Laura

Laura Ferreira disse...

Janita, eu procuro momentos perfeitos, esses sim, existem :)

beijinho e boa semana

Laura Ferreira disse...

Pois é, GM, fazer às vezes dá uma trabalheira danada :)

beijinho

Laura Ferreira disse...

Andreia acho que é isso :)

e não tens de agradecer :) beijinho

Laura Ferreira disse...

Luís, muito obrigada :)

e eu gosto de te ver aqui!

Laura Ferreira disse...

Isabel, sim, concordo.
alguma ponderação faz sempre parte do processo.

beijinho

Laura Ferreira disse...

Vitor muito obrigada :)

Laura Ferreira disse...

Manu, ou não fosses tu tão boa fotógrafa :)

beijinho e boa semana

luisa disse...

Eu tenho sempre (ou quase sempre) medo de arriscar.

Olvido disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Olvido disse...

Sublime é viver sentindo grandes as pequenas coisas, melhor ainda se se transmitem assim e podemos lê-las :)

Laura Ferreira disse...

Sublime é chegar ao fim do dia e ler um comentário destes :)

Laura Ferreira disse...

Luísa, há dias em que arrisco tudo.
outros há em que não tenho coragem para nada...

Rui disse...

Chamou-me a atenção esta frase : "é conseguir ser ao mesmo tempo actor e espectador".

Sim eu sei que qualquer de nós no seu dia a dia, naquilo que faz normalmente está a "ver" os "seus dois lados", o que sentimos emitir e o que nos parece que o outro lado sente receber.

Mas a questão que coloco é mais esta : Será que um actor terá a completa e perfeita noção da receptividade da sua representação ? ... Será que normalmente o seu juízo coincide com o de quem está do outro lado ?... O actor sente isso de imediato, ou não fará ideia entre aquilo que lhe parece e o que possa parecer aos outros ?...

Beijo, Laura :)

Arquivo