13/06/17

a dona maria luísa costureira

ilustr. Mats Gustafson


Hoje fui a uma modista. Recomendada por colegas de trabalho. Uma senhora que faz arranjos e transformações.

O facto de ter lá ido fez-me recuar até à modista que, na minha infância e adolescência, ia todas as terças-feiras para casa dos meus pais. Chamava-se Maria Luísa, era pequenina como um dedal e redondinha como um daqueles ovos de madeira que nunca percebi para que servem.
Falava pelos cotovelos, bordava maravilhosamente e enquanto fazia lá as coisas de costura, metia os alfinetes na boca e andava de gatas aos nossos pés como se ela própria fosse tecido.

A D. Maria Luísa foi muitos anos objeto de uma inveja profunda da minha parte. A inveja não era propriamente dirigida a ela, mas sim à refeição do almoço que a Irene lhe levava, num tabuleiro.
Preparava-lhe um tabuleiro com uma taça de sopa, um pão, o prato com o conduto, um copo de vinho e uma peça de fruta. Não sei o que me atraía naquele tabuleiro: se a arrumação cuidadosa, se a mistura dos cheiros todos, se o facto de ele espelhar os olhos esfaimados da D. Maria Luísa.
Sei que me esgueirava para o salão onde ela trabalhava, assim que a Irene lhe pousava o tabuleiro na mesa e, atrás da porta, deixava que ao meu nariz chegasse o aroma dos tecidos, das linhas, das flores do quintal, da comida, da sopa quente, do vinho adocicado. E aos meus ouvidos, a cantiga da máquina da costura a calar-se, o tinir dos talheres, as vozes almofadadas das duas, os insetos e o restolhar da natureza no calor.

Sei que cheguei muitas vezes a pensar em assaltar o tabuleiro da D. Maria Luísa.

Ou tornar-me costureira.

11 comentários:

Janita disse...

Um texto prenhe de doces recordações. E como gostei de o ler, Laura!
No fundo, também eu senti um pouco de inveja da D. Maria Luísa! :)

Beijinhos. :)

Isabel Pires disse...

Laura, os ovos de madeira servem para coser meias e para cerzir.

AvoGi disse...

Os ovos serviam para colocar dentro da meia para apontar os buracos...
Sou velha, tá visto
Kis :=)

luisa disse...

De costureiras, conheci uma senhora Alice, as minhas primas, que acabaram por deixar o ofício, e a senhora que me fez o vestido de noiva, de quem (caramba...) nem por nada me estou a lembrar do nome. A minha mãe também tinha muito jeito para a costura e quando eu era miúda sempre me fez os vestidos.

Gostei muito deste teu texto. :)

Victor Barão disse...

Uma ode aos sentidos, que poderia ter definido e seguramente tocou o "destino" da Laura. É sempre um prazer ler o que aqui se escreve/publica.

Só por curiosidade, a minha mãe gostava tanto de costura, que mesmo sem ter cursado corte e costura, chegou no entanto a costurar de raiz para quem inclusive o tinha cursado... E de resto a minha curiosidade fotográfica começou originalmente, ainda em idade pré escolar, comigo a folhear as revistas de moda e de costura que a minha mãe possuía e que continham fotos que à altura me hipnotizavam. Incluindo que alguns traços da minha personalidade se tenham eventual/seguramente formatado nessa primeira infância, também, perante o para mim onírico contexto social em que a minha mãe costura, recebia e conversava com as suas clientes e/ou parceiras de actividade _ ainda que e/ou até porque comigo como do género masculino/macho que socioculturalmente não deveria jamais ter nada que ver com todo aquele universo essencialmente feminino!

Abç

Cadinho RoCo disse...

Publicação interessantíssima fazia tempo que eu sequer lembrava dos tais ovos de madeira servidos para deixar tecido mais esticado para costura sem que mãos e dedos fiquem ameaçados pela trajetória afiada da agulha a conduzir a linha. Te convidando para ida à nossa www.hellowebradio.com ... você.Vem!
Cadinho RoCo

Manu disse...

Voltei à minha infância, mas no meu caso era a minha avó que era considerada uma óptima costureira.
Sempre que ela se afastava eu colocava os óculos dela na ponta do nariz e tentava rodar a máquina, claro que ouvia um valente raspanete.
A grande diferença é que não tinha os odores de um tabuleiro bem cheiroso.

Beijinhos Laura

Andreia Morais disse...

Uma belíssima recordação!

Ives disse...

As impressões são imortais! beijos

Mãe Maria disse...

Tão gira a tua recordação e muito bem descrita. Amei.

Laura Ferreira disse...

obrigada a todos (muito) :)

Arquivo