24/10/17

sem título


phot. Deborah Sheedy

Pensa: talvez escrevendo à mão consiga, através do material de que é feito o lápis ou a caneta, talvez consiga impregnar as palavras de uma qualquer coisa mais urgente e significativa, como se a tinta ou a essência do que pinta pudesse trazer uma melhor notícia.

Talvez a mão dela tenha essa capacidade de as reinventar – as boas noticias ou, melhor ainda e ainda mais importante - travar a dor e dizer-lhe "Basta!" a essa dor que lavra em certas vidas.

15 comentários:

Os olhares da Gracinha! disse...

As duas possibilidades devem estar sempre "em aberto"!!!

Daniela Silva disse...

Concordo com a Gracinha. E é semopr bom termos alguns caminhos para escolher.

Beijinho || Daniela Silva | Blog

O Puma disse...

Belo texto
e a Cristas a montar o seu alazão
distraída no palco do Parlamento

Andreia Morais disse...

Impossível ficar indiferente a estas palavras!

r: É mesmo :)

Janita disse...

Há rasgos na alma que ficam para sempre...
...mesmo depois da coragem para dizer: "Basta".

Parabéns pelo texto e escolha da imagem, Laura!

Gaja Maria disse...

TRavar a dor seria bom :)

Cidália Ferreira disse...

Bom para reflectir

Beijos
Boa noite

Vânia disse...

Não fecho portas nem janelas às duas possibilidades :)))

silvioafonso disse...

Eu também gostaria de morar
num sítio onde tudo fosse
pequeno e só a esperança e
o amor excedessem as medidas...

Um beijo e, vou segui-la.


.

CCF disse...

Escrever à mão...não fossem os meus caderninhos de notas -quase todas de trabalho-e acho que já não saberia escrever. Mas a caligrafia tem sem dúvida outro encanto.
~CC~

Portugalredecouvertes disse...


um belo efeito de raio ! de faísca de trovoada, a bem dizer :)
beijinho e bom fim de semana
Angela

mz disse...

Não será a escrita a travar as dores, porque a dor efectiva não se reinventa, sente-se.


Bom fim de semana,
Beijinho.

Marta Martins disse...

Que texto lindo, obrigada pela pela partilha.

Manu disse...

Mesmo depois de dizer " Basta há dores que deixam marcas para sempre.
Adorei o texto.

Beijinhos

Graça Pires disse...

Se a dor vem da alma, não há "basta" que a extinga...
Uma boa semana, Laura.
Um beijo.

Arquivo