10/11/17

teu nome é Gal



Acho que te sei desde que me sei a mim.
É amor antigo, de bordado de avó, a cheirar fino, com galões, debruados e ponto pé-de-flor.
Uma qualquer força estranha, entre o que me ensinaste em música e me ajudaste a crescer.
Uma relação Índia, com cheiro de Açaí, Caminhos cruzados com Ponto de luz, um Sonho meu, ou uma viagem no Trem das Onze.
Quando era miúda punha a cabeça para baixo, metia os dedos no cabelo farto e parecia-me, a mim, que ficava um nadinha mais parecida contigo.
E ficava embasbacada a ver as fotografias a preto e branco de uma Gal arriscada, linda, de pés descalços e boca grande, sentada num banco alto, a cantar como se fosse Deus.
Quando era miúda ouvi-te pela primeira vez, num disco que comprei com músicas do grande Ary Barroso e nunca mais deixei de te ouvir.
Já fiz coisas incríveis graças a ti. Já te vi no castelo de Montemor numa noite perfeita de luar, já te esperei na porta traseira do Coliseu (e tenho um beijo teu no bilhete), já cantei com uma irmã uma chuva cheia de prata para outra irmã.
Guardo-te em mim na dobra da roupa mais bonita e na ruga dos sorrisos de maior felicidade.

Vou ver-te, pela 4ª vez, domingo.
Talvez porque, sem que tenha pensado muito nisto, assumi tacitamente que só poderia ir… ver-te.
Sabes como é quando nos levantamos e respiramos?
É mais ou menos isto.

(ai de ti que não me cantes o “chega de saudade”.)

6 comentários:

Andreia Morais disse...

É tão bom quando temos oportunidades destas *.*
Espero que tenhas um excelente momento!

Cidália Ferreira disse...

Adorava ir ver um conserto dela! Adoro ouvi.la

Bom fim de semana. Beijinhos

Vânia disse...

Somos todas Gal!

Os olhares da Gracinha! disse...

Eu ia gostar de ver mas ainda não é este ano!!!bj

Gaja Maria disse...

A Gal já faz parte da história da música, é fantástica :)

Laura Ferreira disse...

A Gal é única, sim, e que bela voz que ela ainda tem!

beijinhos a todas, boa semana.

Arquivo