29/08/19

preciso de me reinventar


28/08/19

do tempo e da nudez das horas



Às vezes quer vestir-se de tempo, porque diz que nunca o tem, em dose suficiente.
Outras vezes queda-se nua, no arrastar das horas, a desafiar os minutos.

(imagem de luca de salvia)

27/08/19

Variações de um amor maior



O filme que se fala.
O filme que se fala é dor. Mas também é amor.
É partilha. É trabalho árduo. É um retrato. É um legado.
É uma procissão de coisas bonitas. É perceção, virilidade, fragilidade, glória.
É mimetismo, uma bela insatisfação contida.


O cinema português está de parabéns.
Sérgio Praia dá-nos uma interpretação brilhante, depurada, agradecida e adorada.

Há muito tempo que não saía de um cinema tão deslumbrada.

Arquivo