05/12/19

o homem que queria casar com uma senhora de uma fila de trânsito


Catrapumba, pensou ele, ao sair do trabalho.
Agora meto-me no carro, enfio-me numa fila de trânsito até casa e aproveito para ver os perfis dos condutores e ver se alguma alma feminina se ri para mim; quando isso acontece ofereço-lhe o meu melhor sorriso, aquele de lado, a mostrar só a fileira dos dentes de cima.
Se a coisa correr bem e o trânsito estiver infernal, pode ser que dê para abrir o vidro e lançar um piropo engraçado ou um comentário sem interesse.
Se o trânsito estiver mesmo parado porque houve um acidente mais à frente que meteu bombeiros e tudo, pode ser que até dê para sair do carro, oferecer-lhe uma bolachinha e perguntar-lhe coisas mais dela assim do tipo se é casada ou vive com a mãe e com o gato.
Não desisto de encontrar uma moça numa fila de trânsito, já que nas redes sociais não tenho sorte nenhuma.
Ainda um dia hei-de casar com uma senhora de um Mini ou de um Citroen ou de um Fiat Panda pequenino com matrícula anterior a 2000.
A minha esperança nunca morre.

6 comentários:

CCF disse...

Tem aí um belo início de romance:)
~CC~

Ricardo Valério disse...

Boa noite:- A esperança é sempre a última a morrer, lol
.
Cumprimentos

Andreia Morais disse...

E que mantenha essa esperança :D

noname disse...

ahahahahah, queria?, já não quer? ou será que encontrou, mesmo, a senhora na fila do trânsito?

Boa noite, Laura :)

Cidália Ferreira disse...

Seria bastante interessante! :))

-
Sonhos perdidos na inocência ...
Beijo e uma boa noite!

Luis Eme disse...

Podia dizer que há "malucos" para tudo, mas prefiro dizer que há "apaixonados" para tudo. :)

Arquivo