28/11/07

“Escolhe uma”.
E ela escolheu. A que tinha o assento mais escuro, velho e roto.
Talvez por pensar que nela se tivessem sentado mais pessoas.
Escolheu a que lhe pareceu mais solitária e a que tinha as pernas mais bambas.
Escolheu aquela que nunca tinha recebido um banho de tratamento ou de verniz.
Escolheu aquela que se destacava, entre as outras, por ter um ar mais triste.
Escolheu aquela que lhe pareceu ir ficar mais agradecida por ser escolhida.

Sem comentários:

Arquivo