30/10/08

papel de parede

adoro papel de parede, tenho uma boa meia duzia de papéis de parede, que me lembro, que são para mim uma referência: o da casa de banho dos tios, na rua do arco, em viseu; o da sala das antas, o do escritório das antas; o do quarto da ro e da marisa, nas antas e o do meu quarto de solteira, das antas. esse papel era aboslutamente fabuloso e dependendo dos meus estados de espírito, eu conseguia ver, nele, caras de mostros ou de homens com esgares de terror ou anjos e fadas. nesse papel do meu quarto de solteira eu escrevinhei (que vergonha, escrever numa parede e principalmente num papel) umas coisas disfarçadas nas flores mais escuras, pequenas letras que queriam dizer coisas, mas eu sabia o sítio delas e sabia bem o que elas queriam dizer, oh se sabia, e essas coisas por estarem escritas na parede do quarto onde eu dormia velavam o meu sono e eu acreditava muito nisso e eram mais um dos meus (muitos) segredos.

4 comentários:

Anónimo disse...

bem guardado! só hoje o soube!
beijos
marisa

Anónimo disse...

também eu guardei segredos no jardim de papel do meu quarto em viseu
bj
rosi

Laura Ferreira disse...

bejos para as 2.

clara branco disse...

Post

enternecedor

Gostei de viajar

até à infância.

Arquivo