21/06/10

considerações sobre o beijo

 
Não gosto muito de cumprimentar com beijos na face.

Porque alguém se lembrou de inventar que dar um só beijo é mais “in” e aconteceu-me algumas vezes dar a face para dar um beijo e dar a outra e ficar a ver navios com cara de parva.
Ainda tentei fazer uma lista das pessoas que dão só um e das pessoas que dão dois. Mas fiz tremenda confusão que nem sei.
Não gosto muito de cumprimentar com beijos na face porque há pessoas que nos dão a face – e só a face – e nós é que temos que dar o beijo e isso irrita-me um bocado.
Depois há as que dão a face energicamente, ou seja, dão-mos uma trancada com o maxilar. Havia uma rapariga que dava beijos assim. Ou não dava. Encostava a face energicamente e não fazia mais nada. Um dia apanhou-me irritada e decidi fazer o mesmo. Foi ridículo. As duas encostamos a face e não fizemos mais nada.
Acho que esta coisa com os beijos me ficou de miúda.
Primeiro com as amigas de café da minha avó materna que me achavam um piadão por falar pelos cotovelos de modo que me sentavam em cima da mesa de café como se fosse uma jarra e passavam a tarde a dar-me beijos "molhados" com as boquinhas cor-de-rosa bebé.
E depois no dia de Páscoa, quando me ajoelhava para beijar o Senhor. Senhor Jesus, no crucifixo.
Magoava-me sempre no dente da frente que era mais saliente.
E ainda por cima não confiava nada naquele pano com que limpavam a imagem de umas bocas para as outras. De maneira que depois de dar o beijo ficava a pensar “que porcaria que nojeira a quantidade de pessoas que já beijaram isto o” e na verdade não adiantava nada dar o beijo porque não me sentia mais purificada, muito pelo contrário.
Entretanto também me ensinaram que depois de me benzer devia dar um beijo nos dedos “mas porque carga d’água”, perguntei eu e ninguém me soube responder.
De modo que tirando os beijos na boca apaixonados com o nosso amor, os beijos na costa da mão reverenciais, os beijos nas minhas gatas e os beijinhos à distância "até logo gostei imenso de te ver", sou pouco amiga de beijos.
C’est la vie.
Também há que não goste do amarelo.

2 comentários:

Camomila disse...

ri-me porque me revejo em algumas situações, e é por essas coisas e mais algumas que adoro abraços. :)

jpv disse...

Ora, já seremos dois comentado o que, com a opinião da autora do post, já faz três... pois eu gosto dos abraços amplos e fortes e costas bem batidas de mãos abertas, e gostos dos apertos de mão bem rijos e firmes e gosto dos beijos todos. Às vezes faço umas partidas, como conta a laura que fez, mas nunca me desentusiasmo duma beijoca. Nem mesmo no Cristo embora a minha beijoquice esteja virada para a feminina graça...

Arquivo