15/07/11

a mulher com corpo de Photoshop

Phot. Pedro Tudela

A mulher sentada na segunda cadeira a contar da esquerda
tem um não sei quê de enigmático
que faz com que o homem sentado na cadeira da ponta direita
(jovem e engalanado com ar de enfant terrible)
se baixe, para mexer no sapato com regularidade,
e para ela olhe de soslaio.
Aquele movimento forçado e patético
em nada perturba a mulher
(madura e elegante, com pele de cinema e corpo de Photoshop)
que agora se detém a olhar para o risco imperceptível
da unha de gel do dedo mindinho.
O homem sentado na cadeira da ponta esquerda
deve estar com dores porque tem o cenho fechado
e rugas de mal-estar a escurecer-lhe os olhos.
Não reparou ainda na mulher impassível
e no jovem excitado que continua naquela coreografia comovente
à espera nem que seja de um esgar.
O telemóvel ultra mega último modelo do jovem
toca estridentemente
- uma irritante música de rádio igual às outras todas –
e a mulher sofisticada vira o pescoço coreograficamente
e olha-o com ar de enfado.
Há uma pausa dramática na qual acontecem as seguintes acções,
por esta exacta ordem:
a mulher e o jovem olham-se nos olhos
o homem com dores olha para os dois
o telefone irritante vibra na mão do jovem
como se fosse um animal enjaulado
e a menina da recepção
que está longe desta curta-metragem improvisada
vem interromper a cena
e chama a mulher elegante
“porque o senhor doutor vai recebê-la já”.
então ela levanta-se com ar de estrela de cinema
e caminha, numa dança miúda,
com os saltos agulha a pintalgar o soalho,
na direcção da sala do senhor doutor
e entra, não sem antes se virar e posar para os dois homens
com cara de retrato de moda.
E os dois homens ficam a ver a porta a fechar
e na cabeça dos dois
ficará impressa a imagem daquele andar
e a imagem do rosto seráfico e bem maquilhado
da mulher
de corpo de Photoshop
de rosto de revista Vogue
e de roupa de Vanity Fair.

10 comentários:

Nilson Barcelli disse...

Interessante esta tua curta metragem.
Gostei muito.
Querida amiga, bom fim de semana.
Beijo.

Laura Ferreira disse...

Obrigada.

Mar Arável disse...

Li reli e ainda estou a vê-los

Belo

henriquedoria disse...

Photomaton e Vox, como diria o Herberto
Gostei de aqui vir Beijos

Anónimo disse...

Como pode ser interessante a espera numa sala de um consultório! Gostei!
(Chego em breve...)
beijos
marisa

Teresa Durães disse...

sim, numa sala de espera só nos resta a inspiração

Laura Ferreira disse...

Obrigada a todos por terem vindo.

jardinsdeLaura disse...

Um momento de ficção... cheio de efeitos especiais! ;)

Anivlete disse...

A medida que lia, toda a cena fluiu ao meu pensamento e essa mulher ganhou forma, rosto, corpo,olhar, gestos, andar... de alguém que bem conheço e admiro

Laura Ferreira disse...

Obrigada, Laura e Binoca.
Um beijo para vocês.

Arquivo