27/01/12

a rapariga com mood de cinema





Acordou com mood de cinema:

olhos de “Bonjour Tristesse”
boca de “One from the heart”
cabelo de Rita Hayworth.

Vestiu um vestido de Ava Gardner
calçou uns sapatos de Lauren Bacall
vestiu um casaco branco e calçou luvas pretas de Kim Novak.

Olhou-se no espelho
e levantou a sobrancelha como a Scarlett O’Hara
e fez boquinha de Marylin Monroe.

Saiu para a rua com andar de Tippi Hedren: passinhos miúdos, pernas abraçadas em saia tão custa, sintonia perfeita entre a música dos joelhos e dos saltos altos.

Entrou num clube antigo com muito fumo e luz teatral.
Uma orquestra de músicos de camisa branca, cabelo lambido e mangas arregaçadas, tocava temas de Cole Porter.

Sentou-se a uma mesa, cruzou a perna direita e retocou o pó de arroz e o batôn com ar arrebatado de diva de film noir.
Na mesa pousaram-lhe um copo com Whisky e muito gelo.
Mãos enluvadas de homem riscaram um fosforo e acenderam-lhe um cigarro fino.
Humedeceu os lábios e sorveu o cigarro e expeliu o fumo, propositadamente, de encontro ao feixe de luz branca
para criar um efeito cinematográfico de filme a preto e branco.

A orquestra começou a tocar, arrastada e impecavelmente, o “The way you look tonight”.
Marcou o ritmo, subtilmente, com a biqueira do sapato elegante, sossegou o coração no peito e ficou ali, com ar de cinema, a apreciar a luz a escorrer entre o fumo e a pensar que dele, do fumo, ele apareceria:

de chapéu antigo, fato escuro, perfume maduro, cigarro ao canto da boca, voz grave.
Olhá-la-ia por uns segundos, com os olhos negros de desejo educado,
estender-lhe-ia a mão e arrastá-la-ia para a pequena pista de dança
e envolvê-la-ia num abraço de Rick Blaine.
enquanto lhe dizia ao ouvido,
por cima da musica,
num inglês perfeito


"Lovely, never, ever change.
Keep that breathless charm.
Won't you please arrange it ?
Cause I love you, just the way you look tonight."


3 comentários:

Luis Eme disse...

ah, era tu!

:))

Laura Ferreira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Laura Ferreira disse...

:)

Por acaso não.
Mas não me importava de ser.

Arquivo